Sorteio de Aniversário do Blog

quinta-feira, 30 de junho de 2011

A hora do Fuca

Mais do Encontro de Melo

Fotos enviadas pelo meu amigo Claudio Menezes.
Olha só o estilo luxo que apareceu por lá.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Abotoadura Macfuca

Imagina se eu tivesse uma destas.E ainda tem Azul que nem o Macfuca!
Depois do cabide que ele ganhou o que faltava pra completar o executivo era um par de abotoaduras destas.
E pra arrematar mais esses modelitos.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Encontro em Melo - Mensagem de Claudio Menezes

Christian
Viajar em grupo de amigos é muito divertido, pois na bagagem viemos com uma coleção de fotos, risadas e boas histórias para contar.
Está viagem não foi diferente, pois até entrevista o POAFUSCACLUBE participou na televisão de Melo no Uruguai.
A viagem para o Encontro de Melo foi ótima ocorrendo tudo de acordo com o nosso plano de viagem.
Estou encaminhando fotos do POAFUSCACLUBE no Encontro em Melo no Uruguai.
Abraço,
Claudio Menezes

Na foto o quadro feito pelo Porto Alegre Fusca Clube para agradecer a receptividade do Clube Uruguaio.






Kombi pega fogo e causa lentidão no trânsito da Capital

Matéria do site da ZH de ontem.
Pra trabalhar tudo, pra colocar a manutenção em dia........

Automóvel bloqueou uma das pistas da Avenida Ipiranga no sentido centro-bairro
Uma kombi pegou fogo no início da tarde desta segunda-feira na Avenida Ipiranga, próximo à Rua Silva Só, na Capital. O motorista teve de parar o automóvel na pista da direira no sentido centro-bairro para conter o incêncio. O bloqueio causou minutos de lentidão no trânsito do local.
O Corpo de Bombeiros foi chamado e em pouco tempo conseguiu apagar as chamas. A kombi foi removida para a calçada para liberar a pista.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Maior Idade Deficiênte

Dia 14 passado Vitória completou 17 anos.

Pela primeira vez depois desde tempo todo ter passado o fato dela estar fazendo aniversário mexeu com os meus sentimentos.
Vitória para os que não sabem teve complicações ao nascer que lhe resultou em uma Hemiplegia no lado esquerdo e déficit cognitivo.
Do dia que nasceu até todos os outros que se transcorreram passei por uma espécie de aprendizado tanto quanto a lidar com o resultado de uma infecção que gerou toda essa conseqüência, quanto a minha ignorância ao cuidar de uma criança que por ser criança já nos deixa um leque enorme de dúvidas quanto ao crescimento e educação, mas muito mais que isso por estar lidando com o diferente.
Enfrentar os dias que viriam contando com meia dúzia de profissionais que realmente confiavam e confiam no potencial da estimulação precoce foi fundamental para que vivêssemos dia a dia acreditando na mudança.
E Vitória não deixou por menos dentro de suas condições enfrentou por vezes descaso de profissionais que não conseguem ver além do resultado de um exame.
Transformadores de seres humanos em uma simples composição química com resultados matemáticos. Mas ela sempre foi além.
Lidar com o desconhecido é lógico que sempre será motivo de angústia para qualquer ser humano, porém lidar com o desconhecido e ao mesmo tempo especial faz com os anos se passem a procura de algo que nunca se sabe o que realmente é e sim somente o que se quer.
Fato que lidar todos estes anos com o diferente pode nós deixar mais maduros em relação a outras relações com a vida. Lidar com uma criança com uma deficiência também nos faz acharmos super protetores e especialistas no olhar dos outros. A pena, o porque do problema, a pergunta de o que é que ela tem, enfim coisas deste tipo que é normal mas ao mesmo tempo tão desgastante quando não estamos de bem com a vida.
O cansativo dever de estar sempre a frente da ignorância dos outros.
Mas fomos levando.
O que me trouxe hoje a esta reflexão dos 17 anos onde me referi a "Maior idade deficiente" é porque tão somente agora onde ela quase faz a maior idade voltamos a estaca zero do: o que será que vira pela frente?
Sim, agora Vitória aos olhos do mundo e da justiça e claro da natureza humana, não será mais aquela criança indefesa que teve o azar de ter tido um problema que a deixou limitada para enfrentar a relação com a vida com as suas próprias capacidades.
Pode parecer complicado explicar, mas a maior idade agora lhe joga na sociedade com o ar da diferença, ou melhor dizendo, da deficiência na forma bruta como é tratada.
Tão ignorante quanto o que não estuda é a relação da maioria da sociedade em relação a deficiência. E digo isso não por me achar o tal porque nela me enquadro também. Basta nos depararmos com alguém em uma cadeira de rodas ou até mesmo uma pessoa cega e não sabemos direito qual atitude tomar. Se lidarmos com a deficiência psicológica pior ainda, não sabemos se devemos ser enérgicos e limitar ou deixar acontecer e não sermos grosseiros, ou melhor, ignorantes.
É um mundo a ser descoberto por quem nele não vive.
Então chegar aos 17 anos é me remeter aos primeiros dias de vida em convívio com a Vitória. É começar a tentar entender como será a partir de agora que ela é um adulto como sou. É lidar com alguém que já tem o mesmo tamanho que eu tenho e que já não responde a estímulos de uma criança indefesa. É estar naquela linha do tempo onde eu estou envelhecendo e chegará o tempo onde se tudo fosse dentro da normalidade, ela viria a cuidar dos Pais.
E agora?
Com certeza os olhares da sociedade a partir de agora serão os olhares do diferente. Do desconhecido e muitas vezes do descaso.
Mais uma vez teremos de nos superar enfrentar as dúvidas e diferenças que a vida “especial” nós apresenta.
Mexeu comigo sim e me desestabilizou e mais uma vez irei revirar a minha caixa de opções emocionais para encontrar que fórmula terei de utilizar para não tornar a vida da Vitória mais difícil do que ela já é.
Mesmo que dentro do seu limite de entendimento muita coisa não perceba, por tantos outros motivos sensíveis e emocionais ela sabe como é complicado.
Entende que é diferente, sabe das limitações.
Desta cartilha de alfabetização do especial que aprendi ficam muitas lições.
Destes 18 anos que virão pra frente será como um novo ciclo de vida.
Da Vitória a felicidade de estar viva e de estar com os seus 17 anos íntegros e bem assistidos.
É minha filha começaremos tudo de novo.
Mesmo que tu não tenhas a capacidade de ler estas linhas que teu Pai escreve sei que sabes ler muito bem o meu pensamento.
Sim começaremos tudo de novo. Tudo novo de novo.
Que venha a maior idade.

sábado, 25 de junho de 2011

Moda Paraná ou Moda Vandeco

Vandeco como sempre um cara inovador no que se refere a moda fashion.
Depois da placa Preta no Adamastor o que mais esta criando como diz a Natali da novela "um bafão" são estes sapatos comprados no Paraná.
Mas ah Vandeco imagina agora com o Adamastor e esses sapatos em Brasília.
Sorte que a cor é bem discreta!
Agora sim a Dilma se apaixona!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Troca do óleo dos 1000km

Foi ontem lá no Mário que o Macfuca ficou com as pernas no ar ou melhor rodas no ar.
Como todos sabem depois de uma parada fatal indo para Bento Gonçalves o Macfuca sofreu uma reforma completa no motor.
Como tinha sido programado para um motor novo, depois dos 1000km trocaríamos o óleo e faríamos a revisão na peneira. Poucos resíduos na peneira podendo até ser reaproveitada e óleo novo para seguir em frente.
Grande Mário uma boa conversa e serviço pronto.
O que não valeu foi a chuva na volta. Sabe como é o Macfuca é um cara cheio de manias e não gosta de se sentir molhado. Fazer o que paninho nele!
Na ida até a oficina do Mário me acompanhou o o Fuca Tronco do meu cunhado que foi até lá para ver o que o Professor Mário recomendava para um motor de melhor rendimento. Semana que vem o fuca tronco fica por lá por uns dias para fazer o que for preciso para aguentar a lida de quem gosta de uma serra elétrica.
Tá certo que o Fuca é um carro forte mas também gosta de um carinho.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Fiscalizar, punir e educar para a vida no trânsito

Imagem do site Infojovem.org.br

Por Mílton Ferretti Jung

Em uma dessas quintas-feiras postei um texto que tratava de uma viagem que fiz com minha mulher até a praia de Tramandaí, onde temos uma casa, na qual costumamos passar parte de minhas férias de verão. Antes era possível visitá-la com alguma freqüência também nos meses frios ou, pelo menos, durante os primeiros quinze dias de março, pois aqui no Rio Grande do Sul a temperatura ainda se mantém agradável. Isso, agora, se tornou perigoso, uma vez que assaltos a residências são comuns. Arrombamentos de casas sempre foram corriqueiros no inverno, quando os veranistas retornam para suas cidades. Estes, entretanto, são praticados por ladrões locais, que somente invadem casas nas quais os proprietários não se encontram. Seja lá como for, realizar um passeio de ida e volta no mesmo dia não é problema. Só fiz o preâmbulo, porém – me desculpem os leitores – porque meu assunto de hoje está, de certa forma, ligado à viagenzinha até Tramandaí.

Impressionou-me o desrespeito aos limites de velocidade cometido, na free-way, por motoristas de caminhões, ônibus, automóveis e motos. Os veículos de grande porte não podem ultrapassar os 80 quilômetros por hora e devem se manter na faixa da esquerda da rodovia. Os demais têm licença de chegar aos 100, rodando pela direita. Li no site do Terra, no dia 8 deste mês, matéria que vai ao encontro do que observei na estrada e que resolvi imprimir para usar, oportunamente, aqui no blog. Fiquei sabendo, pela notícia, que uma das razões para que o índice de mortes no trânsito, em nosso país, seja três vezes maior do que o considerado aceitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é, entre outros, a fiscalização deficiente dos órgãos que cuidam do setor em nossas estradas e nas ruas das cidades. Segundo analistas ouvidos pela BBC Brasil, enquanto aqui ocorrem, em acidentes, 18,3 mortes a cada ano, por 100 mil habitantes, na Grã-Bretanha, Suíça e Holanda, países com menor mortalidade no tráfego, este índice é inferior a 6.

O que fazer para diminuir o número desse tipo de mortes?

É certo que a educação para a vida – e o trânsito faz parte dela – começa em casa. Esta última, deveria se estender também aos colégios, porque – provérbio antigo, mas indesmentível – é de pequenino que se torce o pepino. Já fiscalização eficiente é fundamental para punir os que não seguem as regras, seja por dirigir em velocidade excessiva, seja porque se atrevem a conduzir embriagados, sem cinto de segurança, etc. Faz-se necessário, cada dia mais, garantir que os violadores das regras cumprirão as penas previstas pelo Código Nacional de Trânsito. Para tanto, as punições deveriam ser muita mais severas. Não se pode esquecer, por outro lado, as condições das rodovias brasileiras, eis que muitas deixam a desejar. Eu diria ainda, para concluir, que falta ao nosso país, inexplicavelmente (ou,quem sabe,seja explicáve?) ferrovias, sistema de transporte exemplarmente utilizado na Europa e desprezado no Brasil.

Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Às quintas-feiras, escreve no Blog do Mílton Jung (meu irmão)

Pen Drive VW

Pequeno e personalisado.
Pen Drive VW o Macfuca agora tem um!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Dia Mundial do Fusca!

Não deixem de assistir.
A História do dia Mundial do Fusca pelo seu cridor Alexandre Gronow.

La Historia del Día Mundial del Escarabajo por su creador Alexander Gromow from Alexander Gromow on Vimeo.

Platinado Folheado a Ouro

Muito mais folhado a ouro que o platinado é a relação que existe entre as pessoas que gostam de algo em comum, assim como nós apaixonados pelo Fuca.
Relação de amizade que surge assim sem muita frescura entre uma conversa e outra entre curiosidades e aprendizados.
Bem da verdade essa afinidade é que alimenta ainda mais a vontade de um grupo de pessoas se reunirem para curtir os carros.
Exemplo disso esta aqui neste Platinado Folheado a Ouro que ganhei do meu amigo Sérgio que mais uma vez me faz um agrado e me da um presente.
Da outra vez ele me aparece com uma miniatura muito parecida com o Macfuca que já publiquei aqui. Desta vez abre mão desta peça muito rara que estava com ele no mínimo a 35 anos.
Platinado folheado a ouro 24 quilates da marca Motorcraft.
O porque do folheado a ouro ser importante consta nas fotos abaixo em detalhes.
A questão é o acessório é tão bacana que da mais vontade de guardar a sete chaves do que colocar escondido no motor do Macfuca.
É meu amigo Sérgio agora você criou um problemão entre eu e o Macfuca.
Com quem ficará este Platinado?
Valeu Sérgio por mais este carinho que fazes com este teu amigo.
Não sabes como eu valorizo este tipo de iniciativa, muito mais do que o objeto em si vejo na tua atitude o verdadeira motivação de se ter um Fuca:
Fazer grandes amizades! Muito Obrigado!

terça-feira, 21 de junho de 2011

Tampa do túnel - Buraco do Trambulador

Tampa do túnel ou tampa do buraco do trambulador, não sei bem qual o nome que utilizam para este lugar. De qualquer forma desde que o Macfuca foi parar lá em casa e que comecei a reformá-lo, nunca tive a tal tampa. Como é um lugar que fica em baixo do banco e não se tem contato, fiz uma tampa com um fundo de um pote de plástico que até hoje serviu muito bem.
Porém com a reforma do fusca do meu amigo Daniel e as indas e vindas dele na oficina do Prego que tem em estoque algumas peças, pedi para ele sair a caça da tal tampa.
Pois não é que o Prego tinha mesmo. Tava lá enconstada cheia de ferrugem. Bem como eu gosto. Agora já tenho mais uma coisa para me dedicar.
Logo posto as fotos de como ficou o serviço.
Valeu a dupla Prego e Daniel!
Para quem não sabe onde fica o tal Buraco do Trambulador (isso serve para quem não tem fuca logicamente)na foto abaixo podemos visualizá-lo.
No detalhe o meu ajudante Nota Dez (Macfuca Júnior) a alguns anos atrás me ajudando a desmontar o Macfuca para reforma!

Tampas Hella

Bem como eu gosto. Quem sabe um dia.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Repórter Maggi

Mais umas fotos do meu amigo Maggi.
Parou o seu outro meio de locomoção (bicicleta) e não deixou de registrar esse parachoque diferenciado. Olha só que diferente. Puleirinho achatado com o desenho do farol. Plaquinha do Touring do Brasil atrás. O carrinho tem tempo!
Valeu Maggi!

domingo, 19 de junho de 2011

A vida como ele é...

Por Daniel Alano
Ontem á noite parei para pensar um pouco, pois nos dias de hoje bendita seja à hora de pensar, refletir e descansar, enfim desligar do cotidiano. Pois ontem foi um grande dia, daqueles que quando termina nós refletimos o que é a vida.
Bem eu à alguns anos atrás andava de Miura, depois mais tarde um pouco, Omega, Fiesta e até mesmo de Vectra, pois foi ai que vendi o Vectra para angariar fundos para o término da minha casa e fiquei sem carro. Junta Daqui, pega dali, arranjei uma mixaria para comprar um carro, sendo assim fui atrás de algo que me agradasse, a mim e ao meu bolso, comprei uma Brasília LS, 1980, de um único dono, caminhoneiro de Três Cachoeiras, cidade do interior do RS, bem cuidada, porém carro de caminhoneiro que usa para o dia à dia em cidade de chão batido. Foi ai que ao andar na Brasa tive a sensação de retornar ao passado pois meu pai em 1980 também dispunha deste modelo. Resolvi compra-la e comecei a investir na Jurema, nome dado a ela por mim pela cor verde, lembrando a ervilha famosa. Tive como grande incentivador o CHRISTIAN, meu colega de trabalho que já era dono do MacFuca e grande apaixonado pelo mesmo, através dele fiz algumas modificações na Brasa e continuo fazendo pois isso não acaba nunca, e se um dia acabar acho que tudo perde a graça.
Foi ai que me viciei nesta cachaça, um dia estava no meu mecânico e ele me convidou para dar uma passada na casa de um senhor que era chapeador, restaurador de ótima qualidade conhecido como PREGO, entrei no pátio da casa dele e lá deparei com um cemitério vivo de fuscas pois o “fusca nunca morre”, olhei um dos fuscas atirado no pátio e acho que foi amor a primeira vista apesar do estado deplorável do bichinho. Depois de alguns meses, ao lembrar do fusquinha lá atirado, e juntar mais uma graninha, retornei ao local, chegando já de cara perguntei se ele queria vender o fusca azul atirado no pátio e se o restauraria para mim, ele me disse que sim e fechamos negócio.
Daí em diante foram seis meses de muita paciência, angustia e esperança, e a cada dia que eu lá retornava via que o PREGO não se tratava somente de um chapeador , mais principalmente um grande profissional tendo seu trabalho como alicerce de uma vida.
Foram seis meses de idas e vindas, de compras de peças, de palpites dados por mim, de detalhes lembrados pelo PREGO, de tira daqui, coloca dali, enfim todo o trabalho que da a criação de um filho, e ontem foi o dia do nascimento dele ou melhor de sua liberação do hospital chamado OFICINA MASSONI, localizada na parada 40 de Viamão, o rapaz se trata de um Fusca 1972, motor 1500, azul pavão, agora lindo e saudável, ainda com algumas coisas de forração para fazer mais nada que um bom estofador não resolva.
Pois bem terminando meu relato queria agradecer pela oportunidade de ter me apaixonado pelos VW a ar, tendo como grande entusiasta o CHRISTIAN e pela restauração do BLUE, nome dado por mim ao Fuscão, ao PREGO, que ontem ao me entrega-lo, marejou seus olhos como quem olha um filho indo embora depois de criado, alem é claro da amizade criada entre eu e ele, que só essa ai não tem preço que pague.
Obrigado amigos por tudo, e agora é só andar com o bixinho e curtir todo o prazer por ele proporcionado.

sábado, 18 de junho de 2011

Caça Mulata

Fotografei em Novo Hamburgo.
Adaptado ao lado do vidro dianteiro.
Geralmente se vê no espelho da porta. Este para ser de outro modelo.
Caça-Mulata é o nome da acessório, agora pela tamanho da pra caçar qualquer coisa que for preciso.

Fusca Executivo

Mas é fuca metido a besta esse.
Suporte de Inox para casaco importado da Espanha.
Esse acessório vi no Xsara Picasso da minha prima Glória lá de Concórdia.
Fiz aquele comentário discreto " ah quem me dera ter um destes" e não é que funcionou. Foi na revenda Citroën e fez a encomendo que caiu como uma luva no Macfuca. Como o motorista tem de andar de terno e gravata durante toda a semana o negócio e cuidar bem para não amarrotar o traje.
Não preciso nem dizer o sorriso de felicidade do motorista quando recebeu o presente.
Obrigado Glória o Macfuca e eu agradecemos!Beijo

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Live Painting Pixel Show 2011

Recebi estes dias esta dica do meu amigo lá do POAFUSCACLUBE mais conhecido como o Moisés do Fusca. Logo fui conferir o vídeo e os detalhes deste evento.Sensacional.
Valeu a dica meu amigo!

CONFERÊNCIA DE CRIATIVIDADE PIXEL SHOW

O Pixel Show
é o primeiro evento brasileiro focado em criatividade: fotografia, ilustração, artes visuais, graffiti, moda, cinema, games, e também tecnologia. A conferência é organizada anualmente pela editora Zupi e marca uma trajetória de sucesso no Brasil, crescendo desde outubro de 2005.

Além das edições do Pixel Show São Paulo, em 2009 foi realizada a edição do PS em Salvador, para cerca de 1300 pessoas. E em abril de 2010 foi organizada a primeira edição do Pixel Show em Porto Alegre, um sucesso de público com mais de 6000 pessoas.

Na sequência, veja o que rolou na Pixel Show Alegre: a customização de uma kombi pelo Núcleo Urbanóide e o Cartel Graphics.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Erros de adição


Por Milton Ferretti Jung

Arrependo-me até hoje do trabalho que dei ao meu pai no tempo de estudante. Incomodei-o – e à minha mãe, por extensão – desde os primeiros momentos da minha carreira estudantil. Do jardim da infância tenho uma vaga lembrança, mas marcante, pelo jeito. E olhem, leitores, que setenta anos, mais ou menos, me separam dessa etapa.

Derrubei numa das mesinhas da escola o café que levara como merenda. E não quis mais saber de voltar, talvez envergonhado pelo que devo ter imaginado ter sido um grande desastre. Não freqüentei mais jardins da infância. Fiz os meus anos iniciais do primário num colégio dirigido por freiras franciscanas. Tive rápida passagem por um público, mas retornei ao das irmãs porque este me pareceu muito bagunçado. Acho que faltavam professores. Daí para a frente, estive em vários educandários: Roque Gonzales, Anchieta, fui internado no São Tiago,em Farroupílha (do qual fugi mais de uma vez) e, finalmente, no Colégio Nossa Senhora do Rosário, onde meus três filhos também acabaram estudando.

Seja lá como tenha sido, em todos os colégios que cursei minha matéria preferida sempre foi o português. Adorava fazer redações. Tinha prazer em lê-las, depois, diante da turma. Os professores, em geral, modéstia à parte, pareciam gostar das minhas leituras. Creio que já começava a me preparar, sem saber, para a carreira que acabei abraçando – a de locutor. Agradavam-me também tanto as lições quanto as provas de história, que permitiam dissertações orais e escritas. E escrever nunca foi meu problema. Em português, história e línguas – inglês,francês e espanhol (menos latim, que apenas os alunos do curso clássico eram obrigados a estudar), eu me dava bem. Nem sequer conseguia acompanhar com atenção as aulas dadas pelos professores dessas matérias. Quase todos os anos ficava em “segunda época” numa delas, especialmente nas provas de matemática. Acho que hoje já não existem exames orais. Nesses, os alunos, eram chamados ao púlpito e tiravam um papelzinho no qual havia um número, que correspondia ao que teriam de responder. Certa vez, um professor ,ao perceber que eu não sabia a questão que sorteara (?), chegou a me pedir que falasse sobre algo de matemática que eu soubesse. O diabo é que eu, não sabia absolutamente nada de matemática.

Pois não é que descubro agora, com espanto – não muito grande,é verdade – que o Ministério de Educação e Cultura, além de haver quebrado a cara com uma publicação polêmica sobre português, que nem convém lembrar, meteu os pés pelas mãos também na área da matemática. Como esta é uma ciência exata e não permite tergiversações de caráter ideológico, não sei que desculpa será usada para a nova gafe. É impossível explicar somas e subtrações, por exemplo, em que 9 menos 2 é igual a 5 e 8 mais 4 é igual a 11.

O festival de besteiras patrocinado pelo MEC provavelmente não derrubará um ministro, como aconteceu com Antônio Palocci. Para que alguém caia, como o da Casa Civil,é necessário mais do que simples erros de adição.

Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Às quintas-feiras, escreve no Blog do Mílton Jung meu irmão.

Fusca de Colorado

Como Gremista não vou dar pitaco mas o comentário sobre a foto é permitido a leitores do blog. E aí que tal?

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Colocando os Vidros

Esse exemplar Hot Rod já estave aqui fotografado em detalhes. Para quem quiser conhecer melhor aqui esta o link.
Particularmente gosto muito das modificações e adaptações feitas neste fusca. Ainda assim me chamou a atenção o sistema para colocar os vidros.
Como na porta não existe a máquina do vidro o sistema é de encaixe.

Enfileirados

terça-feira, 14 de junho de 2011

A Mala do Rafa

Deixa eu explicar melhor essa é a mala do Rafa e não que o Rafa seja um mala rsrsr. Bem pelo contrário meu amigo tava faceira que nem gordo de camiseta porque um companheiro da viajem até Novo Hamburgo achou essa mala no lixo. Não teve dúvida se candidatou e levou a mala para casa para dar uma geral. O resultado esta aí, até chave a mala tem. O almôndega ganhou mais um acessório decorativo.

Aniversário do Miura

O grupo dos Miura que estarão se deslocando para Melo no Uruguai assim como a turma do POAFUSCACLUBE, esteve presente no dia que em comemoravam o aniversário dos Miura, no encontro dos Hot Rod na EPATUR.
Automóvel brasileiro fabricado nos anos 80, e que era tido como o mais sofisticado durante o período da reserva de mercado automobilístico. Foram ao todo 11 modelos, todos eles utilizando mecânica Volkswagen, fabricados pela empresa Besson e Gobbi, de Porto Alegre, até meados dos anos 90.
(Dados do Wikpédia)
Boa viajem para os amigos!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Skate no Gasômetro - Final da Tarde

Expedição Melo - Uruguai

Esse é o adesivo que os colegas que vão até Melo no Encontro de Carros Antigos irão desfilar por Porto Alegre até o dia do Encontro.
Solicitação do meu amigo Claudio procurei estampar no adesivo o Emblema do Clube mesclado ao mapa com o trajeto dos aventureiros.
Boa viajem!E bom Encontro!

domingo, 12 de junho de 2011

Sucesso nos Encontros - Canoas

Mais um informativo do meu amigo Claudio Meneses.
Esta foi a corrida de carrinho de Controle Remoto do encontro de domingo passado em Canoas. Nem precisa dizer o sucesso no meio da piazada.
E dos marmanjos também. Valeu Claudio!

sábado, 11 de junho de 2011

Curiosidades de Claudio Meneses - Miniaturas

Christian
Estas são as fotos dos colecionadores de carros miniaturas que estavam no 13º Encontro de Carros de Blumenau.
Eles também estavam vendendo alguns carros miniaturas, sendo um deles o miniatura do carro Volkswagen SP2.
Não estava a venda nenhuma miniatura de fusca.
Abraços,
Claudio Elias

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Filho de Fusqueiro - Nasce Fusqueiro

Olha só os detalhes do quarto do meu futuro sobrinho.
João Pedro é o nome da fera que vêm por aí.
Já tem ao seu lado um fusquinha pra acompanhar
O pai dele já apareceu por aqui.
Pedro e o Fusca Tronco!
Estamos só te aguardando João Pedro, fuca com certeza não irá faltar!

O mais charmoso de todos.

Não adianta realmente o Karmann Ghia é o carro que desperta o desejo de qualquer pessoa. Não importa a idade a época ou camada social.
Carro com desenho diferenciado consegue ser clássico e esportivo ao mesmo tempo.
Esse que aparece na foto esta a 35 anos na família. No parabrisa o manual do proprietário.
Alguém sabe quanto pode valer um carro destes?
Não tem preço.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

POAFUSCACLUBE no Correio do Povo

Histórias em comum que evidenciam o carro na vida de cada um unem o grupo com participantes de todas as idades
Crédito: renato rossi / especial / cp

Pra quem ainda não viu, segue o link da matéria que o Correio do Povo fez no Caderno Carros e Motos com o POAFUSCACLUBE.
Parabéns ao clube e muito obrigado pelo espaço ao Correio do Povo!
Imagem do blog do Aventuras do Fusca